segunda-feira, abril 17, 2006

A república dos incompetentes e manhosos

Foi tudo — à socapa (não fosse a dissimulação a especialidade desta corja que habita a Pátria) — à sua vidinha. O rectângulo está deserto (de gentinha, que de Ideias já era!). Não consigo tratar de um único assunto, que não dependa exclusivamente de mim, desde 5ª feira! — Mais vale este País fechar de uma vez por todas e só reabrir quando os actuais indigentes forem substituídos por gente que pônha a Nação e o Trabalho em 1º lugar.

5 Comments:

Blogger FSantos said...

Nem mais. Até as escolas estão fechadas hoje, uma vergonha.

5:11 da tarde  
Blogger Je maintiendrai said...

Bem, bem.. e os serviços públicos que deciriam começar logo na 5ª feira de manhã? Uma inovação pascal inspirada pelo Evangelho de Judas?

8:49 da tarde  
Blogger aba said...

Por um lado, tem toda a razão, nomeadamente nos reflexos tremendos na tão falada competitividade, que mais parece ser a tábua que permite que o "rectângulo" ainde flutue.

Porém, segunda-feira foi feriado em quase toda a Europa, o que inevitavelmente tem reflexos na nossa actividade económica...

Saudações,
António

12:10 da manhã  
Blogger Francisco Múrias said...

Sangue inocente para a populaça
Um tio meu de 83 anos é arguido no caso da ponte de entre os rios, soube hoje pelo telejornal.
Se ele não fosse meu tio nem ligava às noticias( Lia os titulos) Como é meu tio li no DN:
A ponte caiu em 2001 em 1986 foi feita uma vistoria à ponte que revelava alguns problemas mas nada de urgente.(como ficou provado: a Ponte caiu 15 anos depois)
Mas tendo ele hoje 83 anos em 2001 tinha 78 . Se se reformou aos 65 reformou-se em 1988. De 1988 a 2001 passaram-se treze anos Eu em 1986 tinha 24 anos hoje tenho 44 . 24 anos é mais de metade da minha vida.
Isto é uma infamia Uma infamia que prova que estamos atulhados em porcaria até à testa.

O catecismo diz que nos podemos revoltar DE ARMAS NA MÃO quando está em causa uma grande injustiça. Mas apenas quando temos a certeza da vitória e essa revolta não provoque mais mal do que bem . Como aqui temos a certeza da derrota não nos podemos revoltar AINDA

Mas O POVO diz AINDA. PAREM COM AS INFAMIAS PAREM ...POR FAVOR PAREM A PACIENCIA TEM LIMITES ...
-----

6:38 da tarde  
Blogger Francisco Múrias said...

VERGONHOSO
Desmantelar Serviços Públicos não é a melhor estratégia!

«Decisões políticas não são avaliadas.
Pouco antes do anterior Governo terminar o mandato, foi publicado em Diário da Repu-blica a extinção da Junta Autónoma de Estradas e a criação de três Institutos que resultaram do desmembramento de um dos mais antigos organismos públicos. Foi um dos actos mais polémicos do então Ministro das Obras Públicas, João Cravinho, cujas conse-quências estão longe ainda de se poderem inventariar. Nos últimos dias, e devido à tragédia da queda da ponte Hintze Ribeiro, em Castelo de Paiva, muitas pessoas se têm interrogado sobre a situação das nossas infra-estruturas rodoviárias e a falta de fiscalização nas 3500 pontes que existem em Portugal.
Na extinta Junta Autónoma existia uma divisão de pontes que se dedicava à sua vistoria periódica. Com a extinção da JAE e a criação dos três institutos toda a orgânica foi alterada e mais grave ainda, os vários organismos ficaram completamente esvaziados de funções e meios. Muitos dos trabalhadores abandonaram a JAE profundamente desmotivados com o rumo que aquela instituição - que já fez escola - tomou.
O Ministro do anterior Governo e pai deste desmantelamento, João Cravinho, afirmou recentemente que o que o motivou aquela medida, foi uma necessária "limpeza" à casa pois havia uma corrupção instalada a que era preciso pôr fim. Esqueceu-se, porém, de explicar como se organizava a corrupção e porque não levou essa "limpeza" até ao fim. Relatórios de sindicâncias feitas depois das denúncias públicas do ex-presidente da JAE, Garcia dos Santos, identificaram claramente como se organizavam vários esquemas que lesavam o Estado em milhões de contos. Identificaram também os grupos de pessoas que estavam situados no topo da hierarquia da Instituição e que em vez de zelarem pelo interesse público, zelavam pela saúde económica das suas empresas privadas. Garcia dos Santos, supostamente escolhido para limpar a casa, foi a primeira vitima dos poderosos grupos de pressão, que há anos tudo faziam para destruir a JAE. O ex-ministro que continua a afirmar que o que fez foi para moralizar, despediu na primeira oportunidade a pessoa que tinha sido nomeada para acabar com a corrupção. Como afirmou, também há dias, o ex-presidente "com a água suja, também se deitou fora a criança".
Com a entrada de Portugal na Comunidade, as verbas para as infra-estruturas rodoviárias passarem a ser na ordem de muito milhões. Pouco depois, os gabinetes de estudo, de planeamento e afins cresceram como cogumelos. Muitos destes gabinetes foram criados por técnicos da JAE, altamente colocados, que perceberam rapidamente que havia ali uma galinha de ovos de ouro. Com o pretexto de que a JAE não era capaz de responder eficazmente ao volume das obras públicas que se avizinhavam, grande parte destes trabalhos passaram a ser encomendados a estes gabinetes privados. O problema é que adjudicavam o trabalho a um gabinete de que eram proprietários e depois, enquanto técnicos de um organismo público, fiscalizavam e aprovavam propostas que os próprios tinham feito nos seus gabinetes privados. Mas como poderia haver alguém que se questionasse como é que uma instituição do prestigio da JAE não era capaz de responder às solicitações exigidas por uma época de forte investimento público, a empresa foi lentamente empurrada para um estrangulamento de que nunca mais saiu. Os trabalhadores que entretanto se reformavam não eram substituídos, os materiais deixavam-se cair de podre, as tecnologias foram ficando obsoletas. Em vez de se modernizar, equipar com tecnologia mais avançada, a velha JAE foi ficando cada vez mais para trás. Estava aberto o caminho para se recorrer ao privado sem causar grande escândalo. Não a um privado construído por si próprio mas um privado construído à custa do Estado e com a intenção clara de prejudicar o Estado por parte de quem conhecia bem os cantos à casa.Por isso, dizer que se acabou com a JAE para acabar com a corrupção é atirar poeira aos olhos, pois nunca se quis ir verdadeiramente ao fundo da questão, atacar os erros e punir os responsáveis. E mal vai a nossa Administração Pública quando para corrigir erros se acaba com os serviços e se cria outro à maneira empresarial com os despojos do abatido.
O ex- Presidente da JAE, Garcia dos Santos, numa entrevista dada ao nosso Jornal em........é claro sobre o ambiente que se vivia na JAE em 1997: "Fui encontrar uma casa, em termos de pessoal, profundamente desmotivada, sobretudo porque havia várias promessas de reestruturações, de modernização e de reorganização dos serviços da própria Junta e nada disso tinha chegado a factos concretos. A última grande reestruturação da Junta tinha sido em 1978 quando era Presidente o General Almeida Freire. Essa de facto, tinha sido uma reestruturação de fundo e bem feita. Desde essa altura e até 1997 tinha havido uma série de remendos que nalguns casos concretos tinham sido para resolver questões muito pontuais, mais na área dos recursos humanos, muito pouco na estrutura da empresa. Esses remendos não tinham resolvido os problemas, muito pelo contrário, tinham agravado muita coisa. Na área dos recursos humanos, fui encontrar muitas reclamações, pessoal que exigia que fossem tomadas medidas e que fossem corri-gidas situações que estavam a inverter posições de funcionários da Junta"»
Jornal da Função Publica Fevereiro de 2001

12:47 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home