quinta-feira, setembro 21, 2006

Nacionalismo Literário

Eu aconselho a juventude do meu país, a quem uma certa perfídia egotética enleia como um demónio tentador, a procurar o acordo das suas preferências artísticas com as disciplinas da nossa paisagem e da nossa hereditariedade. Se a sua cura sentimental depende de uma psicoterapia segura, Maurice Barrès é um grande professor, cujo convívio lhe recomendo. Também ele sofreu os enganos do individualismo mais desabusado! Mas porque um dia se quis explicar no enigma sempre fechado do seu ser, ele teve que aceitar, para se possuir, as normas sagradas da sua Lorena, que não eram mais do que as da condensação da sua individualidade.
Ao Ritmo da Ampulheta, António Sardinha.

4 Comments:

Blogger a voz said...

António Sardinha, o António de Monforte, é um dos Mestres do Pensamento Contra-Revolucionário.
Re-Ler a sua Obra é, imprescindível.

11:38 da manhã  
Blogger JSM said...

"Mas porque um dia se quis explicar..." , teremos que viver de acordo com a nossa paisagem exterior e interior. Sem querer estragar a beleza e a verdade deste texto.
Um abraço.

2:51 da tarde  
Blogger Mendo Ramires said...

Bem-haja pelos Sábios remates em forma de comentáio.

5:31 da tarde  
Blogger Mendo Ramires said...

Errata: comentários.

5:32 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home