quarta-feira, julho 12, 2006

É hoje

que chega aos quiosques e tabacarias o volume n.º 16 da notável colecção «Batalhas da História de Portugal», com a chancela da Academia Portuguesa de História.
O referido livro tem por título Maria da Fonte e Patuleia (1846-1847). É lê-lo: a fim de constatar que esta coisa está mesmo no ponto-de-rebuçado para novas aventuras desse calibre.
"— O que é que isso interessa? Os tempos são outros." — Dirão alguns optimistas modernaços. Pois... A Maria da Fonte foi a revolta do Povo contra a tributação fiscal, o centralismo admnistrativo e a reforma judicial do Estado Liberal. (Onde é que eu já vi este filme?... Ah, já sei, foi no tele-jornal.)
Por outras palavras: os liberais jacobinos à portuguesa sonharam — utopicamente — mexer em Deus, Pátria, Rei, Família e Propriedade. A Nação catolicíssima e monárquica não lhes perdoou; e, encabeçada por uma Mulher — qual Joana d'Arc, símbolo maior da Tradição —, partiu tudo!
Bravo!

3 Comments:

Blogger alex said...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

6:52 da tarde  
Blogger alex said...

Enterros nas Igrejas?!?!
Que insalubridade....

Hoje em em dia o que é necessário (como 'pão para a boca') são políticas muito parecidas com as defendidas, por exemplo, aqui!

6:53 da tarde  
Blogger FSantos said...

Preferia que o voto fosse pela abolição do Parlamento Europeu!

8:31 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home