quarta-feira, março 29, 2006

Princípio

ÁPICE

O raio de sol da tarde
Que uma janela perdida
Reflectiu
Num instante indiferente —
Arde,
Numa lembrança esvaída,
À minha memória de hoje
Subitamente...

Seu efémero arrepio
Ziguezagueia, ondula, foge,
Pela minha retentiva...
— E não pode adivinhar
Por que mistério se me evoca
Esta ideia fugitiva,
Tão débil que mal me toca!...

— Ah, não sei porquê, mas certamente
Aquele raio cadente
Alguma coisa foi na minha sorte
Que a sua projecção atravessou...

Tanto segredo no destino de uma vida...

É como a ideia de Norte,
Preconcebida,
Que sempre me acompanhou...

MÁRIO DE SÁ-CARNEIRO

2 Comments:

Blogger Vitório Rosário Cardoso said...

Caro Mendo Ramires,

Agradecido pelas amáveis palavras, dois dos três blogues ora criados são para trabalho de equipa, não tive foi ainda tempo de fazer os "convites" aos colaboradores. Apenas reservei um "Fortaleza da Nossa Senhora do Bom Parto", ficará especializado para o registo das marcas portuguesas pelo mundo fora, à medida que vou viajando, descobrindo ou redescobrindo a nossa História.

Saudações,

4:15 da manhã  
Blogger Mendo Ramires said...

Esclarecimento aos meus Leitores:
Este comentário, do Caríssimo Vitório, refere-se a umas palavras que deixei numa caixa do seu blogue...

10:36 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home